• Quem somos

    A Convenção Batista Paraibana é uma organização religiosa, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede e foro na Cidade de João Pessoa, Capital do Estado da Paraíba, fundada em 1924, por tempo indeterminado, constituída das igrejas batistas estabelecidas no território do Estado da Paraíba e a ela filiadas.

    A Convenção é a entidade que representa as igrejas batistas na Paraíba a ela afiliadas assessorando-as na obra da evangelização, missões, ação social, educação e literatura cristã.
    _______
    MISSÃO
    _______
    Promover a integração das Igrejas Batistas Paraibanas através da cooperação mútua, auxiliando-as a cumprir sua missão integral, para Expansão do Reino de Deus.
    ______
    VISÃO
    ______
    Ser, até 2014, referencial de Convenção denominacional onde as igrejas arroladas participam plenamente em um único programa missionário estadual efetivo.

    __________
    Executivos:
    __________

    Secretário Geral (Interino):
    Pr. Antônio Morais de Medeiros
    __________
    Secretária da CEM – Evangelismo e Missões:
    Pra. Diana Flávia Cavalcanti
    __________
    Secretário da CETEC – Ed.Teológica:
    Pr. José Sérgio da Cunha
    __________
    Secretária da CAS – Ação Social:
    Profª. Luzauri Bezerra

    ________
    Diretoria:
    ________

    PRESIDENTE:
    Pr. Francimar Gomes Moura
    _________________________
    1º VICE-PRESIDENTE:
    Pr. Sebastião Tavares
    _________________________
    2º VICE-PRESIDENTE:
    -
    _________________________
    1º SECRETÁRIO:
    Pr. Linaldo de Souza Guerra
    _________________________
    2º SECRETÁRIA:
    Prª Diana Flávia C. A. H. S. Silva
    _________________________
    3º SECRETÁRIO:
    Pr. José Pires Morais

    ____________
    Organizações:
    ____________

    OPPB – Odem dos Pastores
    Presidente (Interino):
    Pr. Linaldo de Souza Guerra

    UHB – União de Homens
    Presidente: Dc.Leomax Fernanndes
    Executivo: Dc.Waldemar Monteiro

    UFMB – União Feminina
    Presidente: Ir. Josileide Ferreira
    Executivo: Ir. Solange Monteiro

    JUBAIBA – Juventude Batista da Paraíba
    Presidente: Emanuela Monteiro
    Executivo: Igor Pessoa

PREGADORES

“Há muitos vagabundos religiosos no mundo que não querem estar amarrados a coisa alguma. Eles transformaram a graça de Deus em libertinagem pessoal. As grandes almas, entretanto, são aquelas que se aproximam reverentemente de Deus compreendendo que em sua carne não habita bem algum. Não obstante, visto que crêem em Deus, com reverência assumem certos votos sagrados. Esse é o caminho para o poder espiritual. Nunca se Defender e Nunca Aceitar Qualquer Glória são alguns desses votos.”…

Entre os que ocupam o púlpito das igrejas, todas as semanas, há aqueles que fazem uso apenas de habilidades naturais e de treinamento especial… É verdade que quem quer que tenha a habilidade de falar bem pode aprender a fazer uso de frases religiosas e pode tornar-se reconhecido como pregador… Sabemos que alguns sabem assobiar. Outros têm um maravilhoso talento para composição e poesia de improviso. Alguns músicos tocam e cantam com muito talento. Outros são oradores de talento (vamos admitir isto!). Dessa forma, no âmbito da atividade religiosa, muito talento dirige a igreja. Os dons do Espírito não são reconhecidos e usados como Deus pretendia. Muito do que acontece nas atividades e no convívio da igreja também decai para a prática da psicologia. Muitos líderes de igreja dominam muito bem a psicologia. Sabem como tratar as pessoas, e como fazer com que as multidões venham. O funcionamento dessas igrejas as qualifica como sendo surpreendentemente “bem sucedidas”. Parte do seu sucesso depende de pessoas com talento para negócios e parte de pessoas com dons naturais de marketing e de política. Uma congregação cristã pode sobreviver e muitas vezes até mesmo parecer ser próspera na comunidade pelo exercício de talentos humanos e sem qualquer toque do Espírito Santo. Mas não passa de uma atividade religiosa, e as pessoas, tão preciosas, não tomarão conhecimento de nada melhor até aquele grande e terrível dia em que os nossos talentos forem queimados com fogo, apenas permanecendo o que foi forjado pelo Espírito Santo. (A Tragédia da Igreja – Ausência dos Dons)

Sempre e sempre Deus tem de ser o primeiro. O Evangelho em seu contexto (bíblico) põe a glória de Deus em primeiro lugar e a salvação do homem em segundo. Os anjos, vindo das alturas, cantavam: “Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens a quem Ele quer bem”. Isso coloca a glória de Deus e a benção para a humanidade na ordem certa, como acontece com as palavras iniciais da oração, “Pai nosso que está nos céus, santificado seja o teu nome”. A glória de Deus é, e deve continuar sendo para sempre, o verdadeiro ponto de partida para o cristão. Qualquer coisa que comece em qualquer outro ponto seja o que for não é certamente o cristianismo do Novo Testamento.

A.W.Tozer

Anúncios

Como converter um Cristão?

910278_47990856Estou terminando a leitura de O que os evangélicos não falam, do Pr. Ricardo Gondim, e num dos artigos ele cita um paradoxo de Kierkegaard: de que é mais fácil um não cristão se tornar um cristão do que um “cristão” se converter. E não é que essa é uma triste verdade?

Estamos novamente num momento crítico do cristianismo, onde a teoria do “se não pode vencê-los, junte-se a eles” está em pleno vapor. Como não se pode simplesmente exterminar o cristianismo, a solução é se infiltrar nele e, de dentro, modificá-lo, conformá-lo com aquilo que se deseja realmente ensinar. Essa não é a primeira vez na história que isso acontece, o apóstolo (de verdade) Paulo já denunciava a ação de grupos gnósticos nos primeiros tempos da Igreja e depois, com a união da Igreja com o Estado, a coisa degringolou de vez pela adoção de rituais e dogmas que desvirtuaram o Evangelho puro e simples e o aproximaram aos antigos ritos pagãos. O movimento da Reforma trouxe a Igreja de volta ao foco em Cristo, porém os anos foram se passando e novamente as influências demoníacas externas se internalizaram no contexto das igrejas, deturpando o Evangelho e transformando o cristianismo em um mero simulacro de culto pagão.

Assim, quem é o cristão hoje em dia?

Com algumas exceções (pois infelizmente as igrejas que ainda prezam pela pureza do Evangelho são poucas e com poucos membros, se comparadas com a mega-grandiosidade das igrejas contaminadas por elementos do paganismo e gnosticismo), o cristão atual é aquele que confessa com sua boca que Jesus Cristo é o Senhor, que ora em Seu nome, mas que não O conhece plenamente. Embora na Bíblia haja várias passagens que nos advertem sobre a necessidade de se meditar sobre a Palavra dia e noite, o cristão atual mal abre sua Bíblia, normalmente fazendo-o apenas durante o culto dominical. Quando a lê busca as promessas, como as que constam nos livros dos Salmos e Provérbios. Lê outras promessas também, mas foge das exortações pois essas não se aplicam a ele, mas sim ao povo judeu.

O cristão atual nunca lê um capítulo completo: contenta-se em ler um versículo e a partir dele, conforme instruções de seus líderes (que também aprenderam assim), cria uma doutrina própria. Quando eu era católica ouvia dos padres que os protestantes liam a Bíblia e cada um a interpretava como queria, e achava isso um absurdo; hoje, porém, vejo que é exatamente assim: daí se formarem teologias tão discrepantes. Um caso que é hilário e trágico ao mesmo tempo, e que exemplifica bem isso, é o de um pastor que ficou famoso ao aparecer no programa Fantástico por ter traído sua esposa com uma fiel também casada, por ter interpretado erroneamente Oséias 3.1 (onde está adúltera, o cidadão leu adultera, e achou que Deus estava mandando-o adulterar). Esse caso, ao que parece, se restringiu a essa congregação, porém outros enganos se estendem em nível nacional.

O cristão atual tem medo de pensar por si próprio, pois isso demandaria a difícil tarefa de ter que meditar na Palavra e correr o risco de fazer escolhas, e por isso se deleita em ter quem pense por ele. Assim surgem as coberturas espirituais, os ungidos do Senhor que não podem ser tocados ou questionados, os líderes que convencem seu rebanho a votar em determinado candidato nas eleições, a aceitação de qualquer heresia. Afinal, se o Anjo da igreja falou, está falado.

O cristão atual tem um objetivo na vida: prosperar. Esse desejo ele tirou do mundo, do qual ainda faz parte embora pense não pertencer mais a ele. Assim, transfere para si os valores do mundo, que são a aparência acima de tudo, o ter em detrimento do ser, o ser bem-sucedido em todas as áreas como prova da vitória de Cristo na cruz. Porém Cristo não morreu para que tivéssemos conforto e segurança, mas para que pudéssemos ser salvos e ter a vida eterna, mas essa interpretação não condiz com o american way of life, que na verdade é o anseio de todos os povos, incluindo o tupiniquim. Não à toa importamos a teologia da prosperidade e muitos modismos, o que vem de fora é melhor do que o que temos, inclusive quando o assunto é Deus.

O cristão atual quer comandar, estar adiante, na frente, não ser servo. Quer ser cabeça e não cauda, quer as riquezas dos ímpios, quer o poder terreno, pois crê que o céu é aqui na Terra e enquanto se está vivo. Isso está totalmente na contramão dos ensinos de Jesus, de que importa mais ser servo do que senhor, de que se deve ser o menor. Ao contrário, versículos pinçados ao acaso dão conta ao cristão atual que, já que é mais do que vencedor, tem que demonstrar isso no dia-a-dia, vencendo a tudo e a todos, não importa o preço a pagar ou os tapetes a serem puxados.

O cristão atual tem uma fé fraca, e para fortalecê-la precisa contar com a ajuda de muletas espirituais. Sal grosso, água benta, sabonete ungido, campanha das 7 semanas, tudo é válido para aguçar-lhe a fé. Seu cristianismo precisa se sincretizar com o paganismo em suas várias formas, pois Cristo apenas não é suficiente. O cristão atual é um neopagão, adora a vários deuses sem se dar conta. Cada amuleto gospel é um ídolo de pedra.

O cristão atual diz não negar nunca a Cristo, mas já O nega a cada dia, quando busca os valores inversos aos Seus ensinos. Infelizmente a sutileza dos enganos fez do cristão atual mais um religioso dentre tantas religiões. O cristão atual é tão cego à realidade do Evangelho que considera heresia ensinos sobre desprendimento material, afinal foi-lhe incutido que pobreza é coisa do diabo. O servir é coisa de derrotados; o não se conformar com esse mundo é demagogia, pois vivemos nele. Mudar essa mentalidade demoniacamente construída é quase impossível, só pela obra do Espírito Santo.

Como converter um cristão ao verdadeiro cristianismo? Como fazê-lo buscar primeiro o Reino de Deus e a Sua justiça, e abrir mão das riquezas materiais, se muitas vezes é o desejo de riquezas que o leva aos templos, que prometem restituição financeira a quem segue as regras da denominação? Como convencê-lo de que deve morrer para esse mundo, quando o engano lhe diz que é nesse mundo que se experimenta um pedacinho do céu? Como mostrar-lhe que o Jesus que ele diz venerar não nasceu num palácio, optando por nascer em uma família humilde; que não adentrou em Jerusalém numa carruagem de fogo, mas num jumentinho? Como ensiná-lo a lição do lavapés, da renúncia aos valores materiais, do amor ao próximo como a nós mesmos, se o pseudocristianismo lhe diz que é assim mesmo, que Jesus venceu e que viemos para vencer, numa deturpação completa de Sua Palavra?

Realmente é muito mais fácil converter um não cristão que ainda não foi infectado pelo vírus do engano religioso, do que converter um “cristão”, pois a lavagem cerebral que esse recebeu torna o processo doloroso e trabalhoso demais. Reverter esse processo é um verdadeiro trabalho de libertação do Espírito Santo, em nome de Jesus.

Que permitamos que Ele complete Sua obra em nós, nos tornando, como os de Hebreus 11, indignos desse mundo:

“E que mais direi? Faltar-me-ia o tempo contando de Gideão, e de Baraque, e de Sansão, e de Jefté, e de Davi, e de Samuel e dos profetas, os quais pela fé venceram reinos, praticaram a justiça, alcançaram promessas, fecharam as bocas dos leões, apagaram a força do fogo, escaparam do fio da espada, da fraqueza tiraram forças, na batalha se esforçaram, puseram em fuga os exércitos dos estranhos. As mulheres receberam pela ressurreição os seus mortos; uns foram torturados, não aceitando o seu livramento, para alcançarem uma melhor ressurreição; e outros experimentaram escárnios e açoites, e até cadeias e prisões. Foram apedrejados, serrados, tentados, mortos ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, desamparados, aflitos e maltratados (dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos, e montes, e pelas covas e cavernas da terra.” – Hb 11.32-38

Fonte: http://www.projetoamor.com/news.php?readmore=4128